Do solitário ao imaginário

Cissa Torello, jornalista e redatora na revista Zap ama moda e é adepta de acessórios. Ela vislumbrou e incorporou a ideia de incentivar outras mulheres que são do tempo do solitário, aquele anel de diamante que protagonizou a história durante muito tempo e ainda tem seu valor no mundo bridal.

“Eu sou do tempo em que ostentar um solitário no dedo significava que você arrumou um bom casamento, e aí se resumia a felicidade. Eles eram tão marcantes que os chicletes e alguns doces como uma maria-mole revestida de coco queimado, sempre traziam uma réplica por cima, (de plástico é claro), e a gente achava lindo! Colecionava todas as cores!

Os acessórios eram sempre muito pequenos e delicados, quase nunca se via jóias grandes, para o meu mundo até as pequenas eram peças raras.

Para comemorar os 15 anos a debutante ganhava um lindo colar de pérolas, e quem não tinha condições de ter um, se contentava com uma correntinha de ouro e um minúsculo pingente.

Mas as coisas foram mudando, a ascensão das mulheres mercado de trabalho potencializou sua independência, auto-estima e poder transformando o conceito para uma nova mulher, mais moderna e ousada.

Acredito que dentro do estilo de cada uma é possível desfrutar desse mundo brilhante e imaginário que pode ser construído a partir do desejo de usar estes acessórios, reconstruindo aquele solitário e trazê-lo para o mundo real em formato mais atual e moderno!

Existem inúmeras opções, basta você querer e se permitir, inspire-se”! (Cissa Torello)

Look by Unikka Boutique

Foto by Damariz Galvez

Make by Anne Pires